ESPECIAL JN ONLINE
Actualizações
permanentes
desde o Parque Tejo

» Cartaz «

»2º Acto (5 de Julho)
Underworld (00h45)
Interpol (23h05)
Scissor Sisters (21h20)
TV On The Radio (20h10)
The Gossip (19h05)
X-Wife (18h10)
Micro Audio Waves (17h35)
Anselmo Ralph (17h00)

»1º Acto (28 de Junho)
Metallica (22h45)
Joe Satriani (20h50)
Stone Sour (19h40)
Mastodon (18h20)
Blood Brothers (17h30)
More Than A Thousand (16h45)
Men Eater (16h00)

»2º Acto (3 de Julho)
Arcade Fire (00h00)
Bloc Party (22h25)
The Magic Numbers (21h05)
Klaxons (19h45)
The Gift (18h35)
Bunnyranch (17h30)
Y! (17h00)

»2º Acto (4 de Julho)
LCD Soundsystem (00h20)
The Jesus and Mary Chain (22h45)
Maxïmo Park (21h25)
The Rapture (cancelado)
Clap Your Hands Say Yeah (20h00)
Linda Martini (18h55)
Mundo Cão (18h00)

subscrever feeds

Sexta-feira, 6 de Julho de 2007

Até Novembro...


Palco

A estreia dos Interpol em Portugal foi arrebatadora. A actuação da banda nova-iorquina, formada em 1998, tornou-se no momento mais alto deste 2.º Acto do SBSR, que só foi ultrapassado pelos Metallica quando se somam os espectadores na assistência. Caído o pano, grande parte do público abandonou o recinto do Parque Tejo. Ainda faltava o último concerto da edição 2007 do SBSR: os Underworl.Quanto aos Interpol, as expectativas para este primeiro concerto em Portugal não saíram goradas. O único percalço foi a pequena queda do guitarrista da banda no palco. Todos vestidos de negro e em traje formal, à excepção do vocalista, os Interpol despediram-se dos fãs com um "Até Novembro, em Lisboa...".
A fechar o SBSR , os ingleses Underworl, que participaram na banda sonora do filme "Trainspotting", trouxeram a Lisboa o seu estilo tecno e house. Um final de festival de dança electrónica! 
mmolinos
publicado por JN às 01:25
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Julho de 2007

Só Interpol


Vestido de preto, com uma t-shirt dos Interpol, Bruno Oliveira, de Odivelas, não esconde ao que vem. "Sim, estou cá só por eles", assegura-nos. "O bilhete é muito caro para quem, como eu, quer ver apenas uma banda. Nem estou nada interessado nos Scissor Sisters (que acabam de sair de cena)", apressa-se a dizer. Com todos os cd's do grupo nova-iorquino em casa, a expectativa de Bruno Oliveira reside na actuação da banda ao vivo, a primeira em Portugal.
mmolinos

publicado por JN às 23:00
link do post | comentar | favorito
|

Atitude, muita atitude


Palco

Já não há dúvidas. Esta é a noite mais concorrida do 2. Acto do Super Rock. Os Scissor Sisters invadem o festival com a sua música heterogénea. Pop, dance e disco e uma imensa atitude em cima do palco tiram o público do chão. Quase todo!  Porque junto à zona dos WC, o catalão Raviz tenta a custo entender duas portuguesas que acabou de conhecer. Veio de Barcelona para passar férias em Portugal e aproveitou a viagem para vir ao SBSR.  Mas do que está a gostar mesmo é  "das chicas portuguesas", diz ao JN.
mmolinos    
publicado por JN às 22:02
link do post | comentar | favorito
|

Aos saltinhos para ver o palco

Público
Tenho de estar em "bico de pés" para ver os concertos, lamenta João Serrasqueiro. Este estudante, de 18 anos, de Castelo Branco, lamenta que o terreno do SBSR não seja inclinado "como, por exemplo, o de Paredes de Coura. O pessoal lá atrás não vê nada. Temos de estar aos saltinhos", assegura. João crítica também a ausência de pulseiras identificadoras neste festival. "Entrámos com o bilhete e já não podemos sair do recinto", acusa este fã de Bloc Party e Interpol, que veio ao SBSR acompanhado por amigos de Paço de Arcos e Oeiras.
mmolinos      
publicado por JN às 21:47
link do post | comentar | favorito
|

O autógrafo da vida de Marta


Tenda

Marta Simões é a primeira da fila. Sentados no stand da Antena 3 do SBSR estão os norte-americanos dos Scissor Sisters, uma das bandas mais aguardadas neste último dia de festival. De agenda preta na mão, Marta Simões, de Odivelas, recebe, aos 17 anos, o seu primeiro autógrafo. "Por acaso nunca pedi um", diz ao JN, enquanto desfolheia as folhas onde "aponta e desenha" os momentos da sua vida.  Já com a assinatura na agenda, segue para a frente do palco onde os TV on the Radio conquistam a plateia, já a rondar as 15 mil pessoas.
mmolinos

publicado por JN às 20:39
link do post | comentar | favorito
|

A "bunda" de Beth Ditto


Simpatia

A única palavra que conheço em português é "bunda", informa a simpática vocalista dos The Gossip, enquanto bate com a mão nas nádegas, para que ninguém no público fique com dúvidas. Interactiva, a "volumosa" Beth Ditto transpira energia em palco. Agradece, com um arrastado "obrigado", os aplausos após quase cada tema que interpreta. Se no SBSR houvesse prémio simpatia, este seria para entregar aos The Gossip. 
mmolinos   
publicado por JN às 19:35
link do post | comentar | favorito
|

Interpol vencem nas t-shirts

Merchandising
"O pessoal está a comprar bem! Só estamos a vender praticamente t-shirts dos Interpol", berra Francisco Costa, da tenda oficial de merchandising do SBSR, enquanto os portugueses X-wife rasgam o seu punk-rock no palco. "Pena foi os Arcade Fire não terem trazido t-shirts para comercializar", recorda Francisco. "Havia muita procura".  Como se pode ver na foto, as t-shirts oficiais dos Interpol custam 25 euros. Na concorrência, umas tendas mais abaixo", vendem-se a 10.
mmolinos
     

publicado por JN às 18:59
link do post | comentar | favorito
|

Adivinha-se noite memorável


Palco
Cristas pretas, cristas amareladas, muitos braços tatuados, ornamentados com um número razoável de pulseiras prateadas, algumas com "picos". A "tribo" chegou ao Parque Tejo, que esta quinta-feira deverá ter um dos seus melhores dias de afluência. Adivinha-se. Aliás a actuação dos portugueses Micro Audio Waves foi já brindada com uma razoável assistência. Merecida, diga-se. Esta banda portuguesa, com Claúdia Efe na voz, vai-se afirmando como um grupo a ter em conta no panorama da música nacional.
mmolinos
 
publicado por JN às 18:05
link do post | comentar | favorito
|

71 anos no Super Rock

Amigos
Terão sido os espectadores com mais idade do SBSR? Diamantino Direito tem 71 anos e foi dispensado do trabalho para vir ao Parque Tejo "dar uma força" a Herlander Sargento, vocalista da banda Gentlman Strip Club. Filipe Pereira, quase nos 60, seguiu os passos do seu colega dos cinemas da Lusomundo. "Mas daqui a pouco vamos embora, os cinemas não páram", brinca Diamantino, confessando que gosta "é de música dos anos 70. Isto é muito barulho. Mas o rapaz (Herlander) é nosso colega e merece o apoio", diz convicto. 
Quanto aos Gentlman Strip Club (na foto), grupo oriundo de Loures, tiveram os seus 15 minutos de fama no SBSR, que, a esta hora, não deverá ter no recinto mais de três centenas de pessoas. Muito menos de metade, terá assistido à actuação do angolano Anselmo Ralph.
mmolinos

          

publicado por JN às 17:10
link do post | comentar | favorito
|

Cidade ou campo?

Espaço
Um festival de música urbano tem sempre um ar desolador antes do início da maratona de concertos. A localização geográfica de um evento destas características marca a diferença no ambiente que se respira. Um piso de cimento, por exemplo, como este do SBSR, pode ser mais "clean", mas um bom relvado é bem mais reconfortante e agradável para assistir aos concertos. "Prefiro um festival no 'campo'", disse-nos, a propósito, Luís Alípio, que está no SBSR, mas com o pensamento já no Sudoeste, que se realiza no próximo mês, na Zambujeira do Mar. "Aqui a praia é longe, o convívio resume-se à noite e faltam as tendas". Com centenas de jovens acampados no Estádio do Sacavenense, a poucos quilómetros do Parque Tejo, muitos festivaleiros "matam" as horas no centro comercial do Parque das Nações.
mmolinos
publicado por JN às 16:15
link do post | comentar | favorito
|